segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Missionários da Luz - Capítulo 11 - Intercessão

1) Qual a diferença entre Espíritos Protetores e Espíritos Visitadores? Qual a função daquele? Qual a atividade deste?
Espírito protetor é aquela entidade espiritual de ordem mais elevada que a nossa, seu destino é nos proteger, nos intuir na prática do bem e nos prevenir contra a prática do mal. Ele é designado para nos acompanhar durante toda a nossa vida na matéria e, até mesmo, depois, no plano espiritual, nos acompanha em todos os momentos, zelando pela nossa evolução.
Espírito visitador é também uma entidade com alguma conquista evolutiva, que exerce no plano espiritual atividade de assistência. Participa de uma equipe que tem como objetivo o socorro espiritual. A diferença entre um e outro é que o espírito protetor atua em caráter permanente e mais vinculado, enquanto o espírito visitador não, ele executa tarefas a diversas pessoas, sempre de acordo com a necessidade.

2) Qual a diferença entre o suicídio e a morte premeditada? Há diferença?
O suicídio é um ato de vontade do espírito, exercendo seu livre arbítrio, resolve por fim à atual existência física. Morte premeditada seria também um ato de vontade do espírito de pôr fim a existência. A diferença, é que o suicídio pode ser um ato impensado, circunstancial, fruto de uma reação de momento, enquanto a morte premeditada nos dá a idéia de algo planejado, que o espírito vem buscando há mais tempo. Todavia, ambos os casos deságuam numa mesma infração à Lei de Deus: a interrupção da existência física, oportunidade que nos é concedida através da reencarnação para evoluirmos. Em ambos os casos a conseqüência é danosa para o espírito infrator.

3) Há amparo também ao suicida? De que forma?
Ninguém desencarna desamparado. As equipes de socorro espiritual sempre se fazem presente nessa hora, mesmo nos casos de suicídio. Mesmo que no primeiro instante o suicida não seja amparado pelas equipes, como no caso narrado nesse capítulo, por se encontrar cercado de entidades malignas que o impedem, devido ao desequilíbrio espiritual em que se encontram, mais tarde esse amparo não faltará. André Luiz demonstra isso, ao narrar sua ida, juntamente com o instrutor Alexandre, ao encontro de Raul. Ambos retiram o suicida da influência do bando de espíritos perversos e o levam para um local onde ele pode repousar e iniciar o processo de recuperação.

4) O que significa "bando"? Há diferença entre "bandos"? Quais?
Bando é "...a multidão de entidades delinqüentes, dedicadas à prática do mal.... Esses bandos agem de forma diversas, em ambientes domésticos ou nas chamadas legiões das trevas.

5) Alexandre informa que os "bandos" têm influenciação limitada, a que se refere?
Depende da sintonia da vítima. Quando a vítima, face ao seu desequilíbrio espiritual, cria uma espécie de barreira magnética às forças do bem, permite a livre ação desses bandos. Sua ação também é limitada pela ação dos espíritos de luz, que se dedicam ao socorro da vítima. Por mais poderosa que sejam esses espíritos sombrios, não têm força suficiente para resistir à ação de um espírito superior.

6) A que possibilidades de ampliação de visão se refere Alexandre?
"mobilizar minhas possibilidades de visão", está se referindo à possibilidade que o espírito tem, enquanto livre da carne, de ver sem que a matéria o obstrua. Ele faria uso dessa faculdade para localizar Raul. A questão 247 do Livro dos Espíritos, esclarece que o espírito vê em toda parte ao mesmo tempo, podendo seu pensamento se irradiar, dirigindo-se a um tempo para muitos pontos.

7) Como especificar ou explicar o plasma sangüíneo encontrado nos animais?
Esse plasma é inerente aos seres portadores de fluido vital, é inerente aos seres vivos e neles, claro, incluem-se os animais. Sendo que esse fluido vital contido nos animas contém elementos químicos materiais necessários à nossa sobrevivência.
"Tanto que nossa alimentação, baseada em vegetais e animais, permite nos ajudar a recompor não só os elementos químicos "materiais" necessários à sobrevivência física, mas também parcela deste fluido vital. Nas obras de André Luiz, vemos como os desencarnados de nível inferior executam processos de vampirização, não apenas em seres humanos, em animais, buscando "sugar" esta energia vital, que lhes dá a sensação "física", mesmo que por alguns breves instantes.

8) Que elementos vitais se encontram no sangue dos animais? O que quer dizer Alexandre com "...subtraindo-lhes as forças vitais, depois de lhes explorarem o corpo grosseiro..."?
Em se tratando de um ser orgânico, os animais são animados pelo fluido vital, de que estão impregnados. Como o local se tratava de um matadouro, era normal que nele houvesse grande quantidade de sangue dos animais abatidos, sangue esse que ainda se encontrava impregnado desse fluido vital. Quando Alexandre diz que estavam subtraindo de Raul as forças vitais, significa que, como sua vida foi interrompida antes que a quota de fluido vital se esgotasse, face ao suicídio.

9) O que quer dizer Alexandre quando afirma: "...O magnetismo do mal está igualmente cheio de poder..."?
As forças do mal também têm seu poder, de que se utilizam principalmente contra espíritos que se encontram desorientados, aturdidos. O poder dessas forças, porém, é limitado e não tem como se opor ao de um espírito de ordem superior.

10) Pode aquele que cometeu atentado contra a própria vida ter uma assistência mais direta em menor tempo do que há conhecimento de longo estágio em vales de sombra? Como? Por que?
Após o ato do suicídio, a perturbação e a desorientação do espírito é enorme. Esse estágio em chamados vales de sombra, que são estados conscienciosos, é necessário, por não estar o espírito ainda preparado para conhecer a realidade. Na maioria dos casos, sequer compreende que desencarnaram e se surpreendem vivos. Quando André Luiz quis despertar Raul, Alexandre não permitiu, advertindo-o de que o despertamento se daria também para a dor. Seriam necessárias algumas horas sob cuidados das equipes de socorro, para que aquele espírito recuperasse paulatinamente a razão, o equilíbrio. Qualquer coisa que se lhe dissesse seria em vão, pois ele não entenderia.

11) Qual a motivação para as determinações de horas expostas por Alexandre?
Era o tempo necessário para que o espírito se reequilibrasse, readquirindo a razão e a consciência que o levariam a compreender a situação. Após aquelas horas previstas por Alexandre, permanecendo sob os cuidados da esquipe de socorro responsável pelo trabalho de assistência, Raul foi encontrado ainda com dores, porém mais calmo, já compreendendo sua nova situação, entendeu que não mais se encontra na vida carnal e já se encontrava em condições de sustentar uma conversação esclarecedora.

12) Afinal, o que é intercessão? Como ela se dá? Basta um simples pedido feito? Qual é o trabalho feito pelo serviço de intercessão?
Um trabalho complexo, que consiste em assistência fraterna espiritual prestada, não só aos desencarnados, como também aos encarnados e que estão envolvidos na situação. Como vimos, consiste em esclarecer e reequilibrar as forças do espírito desencarnado que se encontra sofrendo forte perturbação e sob influência de outros, perseguidores. Objetiva tirá-lo da influência subjugadora daquelas forças, com aplicação de passe magnético. Abrange, também, o atendimento fraterno a encarnados, levando-os ao esclarecimento e à consolação pelo entendimento da situação, através do desmembramento do corpo físico pelo sono. Para obtê-lo, basta a fé e o pedido através da prece, como foi feito por Ester, com o auxílio de Etelvina. Esse trabalho se dá através de equipes formadas por espíritos já evoluídos, que se dedicam ao socorro espiritual. Compõe-se de socorristas, doutrinadores e auxiliares de um modo geral, todos com o objetivo comum de servir, sempre tendo como farol os ensinamentos do Cristo, guia maior de todos.

6 comentários:

  1. Se basta uma prece de alguém, onde fica o merecimento de quem é socorrido? E aquele que não tem quem o socorra com suas preces permanecerá subjugado ao bando? Por que é necessário o pedido de alguém para que um espírito, que não necessite mais estar naquela situação, de lá possa sair? Se necessitava, por que saiu? Não seria injusto que dois espíritos vivendo a mesma situação um seja liberto porque alguém pediu por ele, enquanto o outro, por não ter ninguém, naquele momento, para lhe socorrer com suas orações, permaneça preso? Será que a justiça divina também necessita de advogado de defesa? Sempre que leio o capítulo 11, fico com a impressão de que falta algum detalhe.

    ResponderExcluir
  2. Ninguém está totalmente desamparado, todos estão sujeitos a ajuda de um parente, um anjo guardião/espírito protetor. Ainda que haja alguém que esteja "esquecido" a misericórdia divina ainda ai o vê. Existem equipes de espíritos elevados que trabalham unicamente na busca incansável por espíritos que estão necessitados, existe ainda a oração individual. todo espírito que tiver com o fluido animal totalmente eliminado, será resgatado, todo espírito endurecido será resgatado tão logo seja encontrado (para se evitar que contraía ainda mais espíritos para sua gleba de assassinos ou seja lá o que forem). Não é pq alguém pediu que este ou aquele espírito sairá de onde está, não existem erros nos planos de Deus ou injustiças, cada um está onde está de acordo com sua necessidade de evolução. Pode ocorrer de um espírito ser salvo pela prece de alguém e outro pedir por si mesmo, o que será levado em conta, não é se este ou aquele foi ajudado por alguém, mas se há uma necessidade dele ficar mais tempo naquele local ou não. (alguns fatores pra sustentar essa ideia - o espírito ainda consta no seu corpo espiritual resquícios de fluído animal ou sua necessidade ainda indica que deverá permanecer no local por mais tempo, devido a vida que levou ou por suas próprias necessidades como espírito). Em alguns casos o espirito é retirado do local para que não mais influencie negativamente à ninguém, seja encarnados ou desencarnados e tbm para que não aja como algoz seja no plano físico ou astral. A justiça divina age conforme seja necessário para sua evolução, e seu advogado de acusação é a sua própria consciência.
    Em memórias de um suicida, livro de Yvone P Amaral, será possível entender com total perfeição tudo isso, especialmente nos capítulos
    Torre de vigia, Arquivos da alma e Manicômio.
    Espero ter ajudado!
    Gde abraço!!!

    ResponderExcluir